Especial Fim de Ano @ Bali - Rodrigo Freixo


Boas... 

pois isto aqui nao é nada mau não. 

então... 

Se há alguns anos dizia e prometia que nunca viria a Indonésia, revoltado com o massacre a Timor, pois as coisas mudam e acabei por vir cá parar. Bali, claro! E sem dúvida a primeira sensação que tenho é que por trás de políticos corruptos ou grandes ditadores não tem que estar um povo igual. E falando especificamente dos balineses, são gente fantástica, que raramente se aborrece e luta diariamente pela sobrevivência. Aqui ganham em média 200 euros por mês!!! 

Saímos de Barcelona às três da tarde de quinta-feira, aterrava em Jakarta no dia seguinte... à mesma hora, tendo em conta que só ao chegar o relógio avançou sete horas. Mas leva -se bem a coisa. O choque começa logo no aeroporto, com um transito infernal. Pensando que é Jakarta e tal, acreditamos que em Bali, ilha paradisíaca  a coisa vai ser mais calma, ainda que nos tenham avisado que não seria. Não é. É mesmo pior que o IC19 em hora de ponta e com acidentes. Mas é preciso levar a coisa com calma e organização, para evitar grandes confusões. 

Para já deixo apenas algumas notas, depois algumas dicas mais personalizadas, já que eu próprio estou a seguir várias dicas de amigos e vale a pena. 

Basicamente a ter em conta: alugar um carro vale a pena, mas é preciso muita destreza. Conduz-se à direita e esta gente é doida a conduzir... não existem faixas ou bermas, tudo vale. Pelo menos deixei de me chatear com os tipos da A5 que iam sempre na faixa da direita, aqui vão em todas mesmo. 

Os macacos são agressivos, mas não perigosos. Diria que são agressivos, perigosos e espertos. Roubam óculos de sol, telemóveis e chinelos e trocam depois por amendoins... bem visto. 

As praias são brutais e vale mesmo a pena quando te recomendam uma andar ali a procura incessantemente. Em Bali não existem muitas indicações ou quase nenhumas, mas também existem muito poucas estradas, por isso, temos sido persistentes e passados dias fantásticos. 

A previsão do tempo: bom, diziam que iam estar tormentas eléctricas brutais e passando pelo accuweather ou outro site la estava tudo bem cinzento. Ao que parece aqui a coisa não é bem assim. Falo pelo escaldão do primeiro dia... chove durante 30 minutos, mas até sabe bem para refrescar dos 30 e tal graus, dia e noite, e dos sempre mais de 80 por cento de humidade. 

Fim de ano e Natal... apesar das tradições, os balineses adoram festa, e se essa festa traz turistas pois então... siga! O difícil aqui é escolher onde passar a meia noite.. se numa praia brutal à luz das velas a comer lagosta, peixe grelhado e tal, por pouco mais de vinte euros, ou ir para alguma terrinha de festa como a terrivel Kuta ou a elegante Seminyak e gastar muito mais mas entrar na onda trendy da ilha.







































 Fotos: Rodrigo Freixo @ Bali